Ao Nosso venerável irmão

Cardeal Cláudio Hummes, OFM,

Arcebispo emérito de São Paulo,

Prefeito emérito da Congregação para o Clero.

 

Obedecendo na nossa época o mandamento do Senhor Jesus, “Ide por todo o mundo e anunciai o Evangelho a toda criatura; quem crer e for batizado será salvo” (Mc 16, 15s), ao mesmo tempo que nos esforçamos por fomentar a nova evangelização por toda a terra temos gosto em recordar os acontecimentos que no passado tiveram nexo com a pregação do mesmo Evangelho: neles podemos contemplar a graça de Deus, o qual, sempre rico em misericórdia, chama todos os homens à salvação em Cristo.

Como há pouco tivéssemos notícia da solene celebração do XVII Congresso Eucarístico Nacional do Brasil, a se realizar na cidade de Belém, ocasião em que também se festeja o quarto centenário de sua fundação e do início da evangelização na Amazônia, temos grande consolação em dar primeiramente ao Cristo Jesus as devidas graças, em união com os sacros Pastores e com todos os fiéis, aos quais Nos unimos e patenteamos a Nossa benevolência e proximidade espiritual.

Foi por isso que acolhemos benevolamente o pedido do Nosso venerável irmão Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará, de enviar para o evento um Cardeal que Nos representasse. Julgamos que poderias exercer muito bem esta legação, posto seres um exímio pastor da Ordem dos Frades Menores e insigne filho da pátria brasileira e da Igreja. Portanto Nós te constituímos por este decreto Nosso Legado Extraordinário  para a devota e adequada celebração do  XVII Congresso Eucarístico Nacional do Brasil, o qual se há de realizar de 15 a 21 de agosto.

Queiras afavelmente saudar em Nosso nome os sacros Prelados, as autoridades civis e todos os presentes. No cumprimento desta honorífica missão deves presidir aos ritos litúrgicos, explanarás em sintonia com o Nosso pensamento a importância de tão especial evento e testemunharás o Nosso amor pelos Pastores da Amazônia e de todo o Brasil bem como por todas as comunidades eclesiais. Confirmando a fé do povo, tratando da catequese, recordando prática da oração e do exercício da caridade na vida quotidiana, darás especial ênfase à igreja doméstica, que é a família, no seio da qual nascem e são educadas as futuras gerações de cristãos e missionários. Enquanto os fiéis, numerosos, receberem os sacramentos da Reconciliação e da Eucaristia e reconhecerem o Senhor na fração do pão (cf. Lc 24, 31), adorarem-no com piedade e conduzirem-no em procissão na união dos irmãos no único Corpo Místico de Cristo, que é a Igreja, estaremos presente também Nós e Nos alegraremos sobremaneira, e desejamos já exortar à caridade os que mais dela carecem: “do amor mútuo e, em particular, da solicitude por quem passa necessidade, seremos reconhecidos como verdadeiros discípulos de Cristo” (São João Paulo II, Mane Nobiscum, Domine, 28).

Levando já em conta, com gratidão e admiração, os maduros frutos da fé e do apostolado, oriundos do anúncio do Evangelho com o auxílio da graça divina, invocamos humildemente o Espírito Santo para que se digne também no nosso tempo impulsionar à continuação da obra de evangelização, com fervor, muitos sacerdotes, religiosos homens e mulheres e fiéis leigos, pela intercessão da Santíssima Virgem Maria de Nazaré e de todos os santos, especialmente daqueles que, no Brasil, anunciaram a fé em Cristo pela vida e pelo trabalho. Concedemos de coração, a ti Nossa Bênção Apostólica, que estenderás largamente a todos aqueles que contigo estiverem presentes ou que se unirem ao evento pelos meios de comunicação.

Dado no Vaticano, aos 15 de julho, na festa de São Boaventura, no ano de 2016, durante o Jubileu da Misericórdia, quarto do Nosso pontificado.

 

 

200px-FirmaPapaFrancisco.svg

Redação

Da redação

CEN2016