No século de fundação da cidade de Santa Maria de Belém do Grão Pará, ergueu-se através do trabalho dos índios locais, instruídos pelos padres da Companhia de Jesus, um dos mais belos e significados monumentos histórico-religiosos: o Colégio e a igreja de Santo Alexandre.

Em 1698, começou a sua construção, sendo concluída em 1719. Nesse importante complexo arquitetônico, funcionava também uma oficina de escultura, dirigida pelo padre João Xavier Traer, nascido na Áustria, e que viria também a esculpir os dois púlpitos da igreja. Ainda no século XVII, o padre treinou mão de obra indígena, como se lê na citação do jesuíta João Daniel: “No Colégio dos Padres da Companhia, na cidade do Pará, estão um dos grandes anjos tocheiros, com tal perfeição, que servem de admiração aos europeus, e são a primeira obres que fez um índio daquele ofício, e se a primeira saiu de tal primor, que obras-primas não faria de dar anos no ofício?” para a construção da igreja aos moldes do barroco europeu.

Talvez por esses fato é que a Igreja de Santo Alexandre, que hoje faz parte do Complexo Feliz Lusitânia, seja um exemplar original e curioso do barroco tardio, quase maneirista, estabelecido através das missões jesuíticas na Amazônia.

Diversos elementos arquitetônicos e decorativos foram entalhados em madeira pelo índios. fato este que revela formas curiosas, como a do pelicano, que na realidade acabou tendo semelhanças a uma arara, e das uvas, que foram entalhadas como cachos de açaí.

Na parte externa, dos elementos arquitetônicos sobressaem as rosáceas, toscamente esculpidas em pedra e barro pelos próprios indígenas, Este elemento sintetiza a presença, não só dos jesuítas no Pará quanto da mão de obra utilizada, em um mix de elementos culturais diversos, europeu e amazônico. A presença de volutas desenhadas como as ondas dos nossos rios e as folhas das nossas florestas complementam a leitura do tema: Eucaristia e Partilha na Amazônia Missionária. A intenção da logo foi de modernização da visualidade e dos conceitos comumente desenhados para uma peça de natureza religiosa, utilizando de recursos em terceira dimensão para o desenho.

Como o tema “Eucaristia e Partilha na Amazônia Missionária”, juntamente com o lema “Eles o reconheceram no partir do Pão” desejamos tornar visível em todo o Brasil a força da Eucaristia e ação missionária na Amazônia, de um povo de fé que testemunha com sua cultura e maneira de ser uma Igreja viva no Norte do Brasil.

Portanto, escolhida para ser a Marca do Congresso Eucarístico Nacional, transformado em ostensório, podendo ser utilizado em toda a programação visual do Congresso, que visa ser, além de informativa e cultural, educacional do ponto de vista da educação patrimonial.

O Logotipo pretende ter desdobramentos que utilizem o patrimônio histórico e religioso das igrejas de Belém, com informações pertinentes e de acesso ao público em geral, valorizando, no ano de comemoração dos 400 anos da cidade, nosso riquíssimo acervo arquitetônico e artístico-religioso.

 

cen2016

Logotipo 1

 

LogoHome500

Logotipo 2

Logo

Logotipo 3

Da redação

CEN2016

 

Inscreva-se no CEN2016                            Seja Voluntário                            Hospedagem Solidária